Total de visualizações de página

Seguidores

domingo, 31 de julho de 2011

EQUILIBRANDO A CIRCULAÇÃO DA ENERGIA




Equilibrando a circulação da energia vital (prana) nos meridianos.


Os sábios chineses, observando a natureza, perceberam que tudo está em constante transformação. Dois princípios, ao mesmo tempo opostos e complementares, estão presentes em todos os fenômenos. Chamaram estes princípios de yin e yang.
Yin é o princípio feminino, cujos atributos são: a noite, o repouso, o que acolhe (receptivo), o sombrio, o vazio, a água, o interior.
Yang é o princípio masculino, cujos atributos são: o dia, o movimento, o que penetra (objetivo), o luminoso, o cheio, o fogo, o exterior
Estes princípios não são estáticos, mas estão em constante movimento, transformando-se um no outro. Quando o yang chega ao seu ponto mais alto, transforma-se em yin (como as lágrimas que surgem no auge de um ataque de raiva).
Assim como dias e noites se sucedem, também as estações do ano transformam-se umas nas outras.
Estas transformações não ocorrem caoticamente, mas observam leis naturais, que também regem a vida humana, como parte que somos da natureza.
Assim, temos nossa primavera, na infância, onde tudo é novo e fresco como um broto; temos o esplendor do verão, na juventude, o amadurecimento do outono na maturidade, e a época de recolhimento e preparação para a morte, no inverno da nossa velhice. A sabedoria consiste em conhecer e respeitar cada fase, extraindo da vida a beleza peculiar a cada estágio.
As peculiaridades de cada estação permitiram aos chineses da antiguidade correlacioná-las com elementos da natureza. Diga-se de passagem que eles davam a estes elementos o nome de “estados de mutação”, o que é coerente com a visão dinâmica do mundo que eles possuíam.
Estas energias fluem no organismo humano através dos meridianos, e é este ponto que nos interessa. Ao permanecermos em uma postura (asana), com a mente serena e concentrada, podemos sentir a energia vital fluindo através destes meridianos.
Quando sentimos dificuldade em permanecer numa determinada postura, isto pode indicar que o meridiano trabalhado na postura está bloqueado. A energia não consegue fluir livremente – temos uma condição de excesso de energia.
Quando a postura é executada facilmente, mas a mente não consegue ficar estável (como se não quisesse entrar em contato com “alguma coisa”), - ficamos impacientes para sair daquela posição – isto pode indicar que há falta de energia no meridiano em questão.
Quando a energia vital flui livremente por um meridiano podemos sentir seu fluxo e há prazer em permanecer na postura, por períodos cada vez mais longos – a postura se torna “estável e confortável” – este é o ideal preconizado por Patanjali no “Yoga Sutras”.


Cada meridiano está relacionado a um tipo de emoção; conhecendo seu estado energético nos tornamos mais conscientes de nossos estados emocionais e podemos trabalhar para equilibrá-los.
Por tudo isto, acredito na importância de trabalhar com consciência nossos meridianos, permanecendo nos asanas. Escolhi refletir sobre cada estação do ano e os meridianos ligados a ela.


Primavera
Nesta estação do ano a vida brota na natureza, após o descanso do inverno. A energia que estava sendo cuidadosamente armazenada pelas plantas irrompe, gerando os brotos e uma nova vida.
Em nosso organismo (e em nossas vidas) é o tempo de transformar, depurar o “velho” para que brote o “novo”. Nossa energia se volta para o movimento, a ação, a realização daqueles projetos que idealizamos no recolhimento do inverno.
O elemento que predomina nesta estação é a Madeira (as árvores e plantas que se renovam) e os meridianos ligados a esta energia são os relacionados aos órgãos do fígado e da vesícula biliar.
A energia vital fluindo livremente por estes meridianos gera a capacidade de fazer opções, decidir entre diferentes caminhos/projetos.
É a época em que temos o impulso de realizar coisas no mundo, de exercer nossa capacidade criativa para transformarmos a nós mesmos e a nossa realidade. Por estarem ligados ao crescimento, ao movimento, fígado e vesícula biliar (F/VB) regem nossos músculos e tendões.
A emoção ligada a eles é a raiva, que nada mais é do que um impulso para o movimento, para realizar uma expectativa, que nós bloqueamos. Geralmente a raiva parece ter uma causa externa – uma pessoa, ou uma situação “criaram” a raiva dentro de nós -, mas se analisarmos esta emoção do ponto de vista de nossa vontade de alterarmos a vida de outros para nos sentirmos bem, veremos que ela brota de uma expectativa interior que não foi concretizada.
Podemos sentir a energia fluindo pelos meridianos de F/VB quando permanecemos em posturas laterais, por exemplo, Uttitha Trikonasana, Parighasana, Uttitha Parsvakonasana.
A energia de cada meridiano pode também ser equilibrada por cuidados relativamente simples com nossa alimentação, bem como cuidando de nossa vida anímica.


Alimentação
Uma vez que o organismo está se depurando é importante não sobrecarregá-lo com excesso de gorduras, proteínas de origem animal e alimentos pesados em geral.
Ajudam a equilibrar a energia os brotos, as folhas tenras, miúdas (salsinha, manjericão, orégano), as folhas verde-escuras, como rúcula, agrião, couves.
O sabor ligado a estes meridianos é o ácido, que nesta estação deve ser usado com cuidado, para não provocar excesso de energia. Utilizadas com equilíbrio as frutas ácidas (laranja, mexerica, abacaxi...) ajudam a harmonizar a energia do fígado.


Alimentos anímicos
O contato com a natureza, que está exuberante na primavera, equilibra a energia de F/VB. Toda atividade que nos permite desenvolver nossa criatividade, bem como o contato com pessoas criativas e calmas, também favorece esta energia.
Como o elemento Madeira tem uma natureza ascendente, a prática da meditação ou a busca de um caminho espiritual (não necessariamente uma religião formal) cooperam com a sua harmonização.
Alguns indicadores de desequilíbrio nos meridianos de fígado e vesícula biliar: falta de vontade, irritabilidade, tendência a gritar e/ou a chorar por qualquer coisa.


Verão
O elemento preponderante nesta estação do ano é o Fogo, que ao mesmo tempo aquece e ilumina.
Na primavera vários brotos surgiram, semelhantes entre si, frágeis, exigindo força para sobreviverem e crescerem. Agora, no verão, as coisas ficam claras, diferenciadas. Já sabemos quais brotos conseguiram crescer, quais morreram; em nossas vidas temos consciência de quais são os projetos em que realmente querermos continuar investindo. Temos clareza do que “vale a pena”.
Esta escolha é feita pelo nosso coração; por mais que a razão nos diga que o caminho x é mais seguro, ou melhor, se nosso coração não está aí, dificilmente teremos êxito. Porém, esta escolha do coração não é cega, passional, mas está ancorada nas necessidades da nossa alma, do nosso centro, e é baseada na intuição – a capacidade de ver mais longe e com mais clareza, além das limitações do ego e da mente racional.
Os meridianos ligados à energia do fogo são coração e intestino delgado(C/ID). Através da circulação do sangue eles também fazem circular o calor e o entusiasmo por todo o nosso organismo. Sem este entusiasmo não nos seria possível continuar com os projetos que iniciamos na primavera. A generosidade e a compaixão também se relacionam com estes meridianos; costumamos dizer que uma pessoa tem “um bom coração”, ou “um coração de pedra”.


Podemos sentir a energia vital fluindo por estes meridianos quando permanecemos em posturas como: Gomutkhasana (a postura da cara da vaca), Baddha Konasana.


Alimentação
O sabor ligado ao elemento fogo é o amargo; devemos ingeri-lo com cuidado durante o verão. Um pouco deste sabor estimula a energia de C/ID, mas seu excesso descontrola o ritmo do coração e a temperatura dos órgãos.
Frutas e frutos frescos e suculentos, saladas coloridas, de preferência preparadas cruas e temperadas com pouco (ou nenhum) sal, vegetais ligeiramente refogados, ou cozidos no vapor, fazem muito bem a esses meridianos. Como a energia do fogo está ativada, devemos evitar cozinhar demais os alimentos, pois isto ativa ainda mais esta energia, podendo gerar excesso.
Alimentos amargos, como:jiló, couve, chicória, serralha, catalônia, raditi, escarola, folhas de cenoura, etc.. estimulam a energia de C/ID. Devemos evitar o seu excesso.


Alimentos anímicos
Estando o coração ligado aos sentimentos, ao calor humano, sua energia harmoniza-se quando convivemos com pessoas amorosas, compassivas, bem como desenvolvemos em nós mesmos estas virtudes. Tomar banhos de sol (antes da 11 h e após as 15 h). Contemplar o nascer e o pôr do sol, permitindo maravilhar-se com estes espetáculos, cuidar do aconchego do nosso lar (ter flores em casa ajuda a equilibrar a energia do coração).
As emoções ligadas a esses meridianos são a sinceridade amorosa e serena, a compaixão e a generosidade.
Em desequilíbrio esta energia gera histeria ou uma tristeza permanente (luto).


Alto Verão
Este período corresponde ao final do verão, onde se inicia a passagem das estações de características mais yang (primavera e verão), para as estações mais yin (outono e inverno). A energia vital passa por uma fase de centralização.
Em nós a terra é o centro do corpo: timo, estômago, pâncreas e baço(E/BP), umbigo.
É o centro da atividade mental: ideias e opiniões, capacidade de reflexão. É o centro do espaço que nos envolve: carne que reveste os nossos ossos e músculos, que nós dá uma aparência e identidade corporal. O elemento desta estação é a Terra; em equilíbrio faz com que fiquemos em paz com quem somos, e nos sentimos em casa onde quer que estejamos, pois sempre estamos em nossa própria casa/corpo/mente.
A boca, os lábios, tudo ligado ao comer, mas também ao sorrir, cantar, se comunicar, está ligado à terra. Os meridianos relacionados a esse elemento são estômago e baço-pâncreas. A assimilação daquilo que ingerimos, bem como das experiências que passamos, está ligada a estes meridianos. A capacidade de aceitar as pessoas, “assimilá-las” (compreendê-las), também tem a ver com a energia de E/BP.


Podemos sentir a energia fluindo por esses meridianos quando permanecemos em posturas como o Virasana e principalmente o Supta Virasana.


Alimentação
O sabor ligado ao elemento terra é o doce; quando ingerido em excesso gera desequilíbrios nos meridianos de E/BP. É preferível ingerir alimentos naturalmente doces, usando com cautela o açúcar (evitar o açúcar refinado).
Alguns dos alimentos que favorecem estes meridianos: carboidratos complexos, fornecidos por cereais, feijões, tubérculos, raízes, bulbos, cebola, abóbora, nabo, beterraba, maxixe, inhame. Também é bom utilizar temperos: louro, coentro, açafrão, hortelã, cominho, alecrim, sálvia, cravo, canela, etc... As frutas amarelas ou amareladas também são bem-vindas: laranja, lima, maracujá, mamão,... in natura ou em forma de sucos.


Alimentos anímicos
O contato com a terra, seja cuidando de uma horta, jardim, ou mesmo de um vaso de plantas, harmoniza a energia dos meridianos de E/BP.
Caminhadas em ritmo acelerado, por mais ou menos 40 minutos, auxiliam a manter em equilíbrio a energia do elemento terra.
Cuidado com a boca: comer demais e abusar de açúcar são os pontos fracos nesta estação do ano.
Como o alto verão marca a passagem para as estações de energia mais yin, é saudável começar a preparação para esta fase, fazendo períodos diários de meditação, ou tirando alguns momentos do dia para atividades voltadas para a interiorização.
Alguns sinais de desequilíbrio em E/BP são: depressão, tendência exagerada ao isolamento, ansiedade, falta de paciência e de perseverança, pressa constante, comportamento obsessivo, neuroses.


Outono
Entramos num período de recolhimento, nos preparando para enfrentar o inverno. É a época em que colhemos aquilo que estivemos cultivando desde a primavera. Tempo de alegria e de compartilhar; não semeamos e nem cuidamos sozinhos daquilo que foi plantado. Quer tenhamos consciência ou não, sempre há companheiros de jornada; às vezes, aquele que apontou falhas e criticou nossos projetos foi nosso melhor mestre. Nossos filhos são também grandes mestres quando (especialmente na adolescência) nos apontam características nossas que nos desagradam.
Enfim, há muito para auto-observar, não para se punir ou sentir diminuído, mas para desenterrar os tesouros ocultos dentro de nós e lapidá-los.


O outono está relacionado com o elemento Metal, que se encontra no interior da terra e exige esforços para ser extraído. Os meridianos ligados a este elemento são pulmão e intestino grosso(P/IG).


Podemos sentir a energia fluindo por eles quando permanecemos no Tadasana (postura da montanha), Virabhadrasana.


Alimentação
O sabor ligado ao metal é o picante; seu excesso pode desequilibrar P/IG.
A energia do metal é de natureza seca e pesada, portanto podemos equilibrá-la com alimentos de natureza leve. Assim sendo, devemos tomar cuidado com açúcar e laticínios, cujo excesso de consumo, nesta fase, aumenta a produção de mucos, prejudicando o intestino (diarréia, gases) e os pulmões (resfriados, sinusites, rinites, ...)
Cooperam com a energia do metal: raízes, como cenoura, nabo comprido, bardana, lótus, mandioquinha, e os sabores picantes dos temperos – cebola, alho, gengibre, salsão Caldos com missô ajudam a limpar os pulmões e beneficiam a flora intestinal. O chá verde (Ban-chá) também favorece o intestino. O mel de abelhas é o melhor adoçante para esta fase.
Como a energia do metal é seca o organismo pede muita água durante o outono.


Alimentos anímicos
A energia se harmoniza, nesta estação, através do contato com as montanhas, grutas, as pedras de onde brotam água, as cachoeiras.
É tempo de refletir sobre aquilo que plantamos e colhemos, pranteando as nossas perdas, para deixar que elas se vão. Através da paz e tranquilidade vamos adquirindo interiormente a certeza de que só aceitando as perdas haverá renovação
Quando em desequilíbrio, a energia do metal gera: dificuldade de desapegar-se (no corpo isto se converte em prisão de ventre), mágoa, ressentimento, desejo exagerado de manter tudo e/ou todos sob controle, o que torna impossível relaxar e fluir com a vida.
Inverno
A estação onde a energia se recolhe para o interior; época em que necessitamos de repouso e do aconchego das pessoas que realmente amamos.
Não é uma época para contatos sociais superficiais (festas, badalações), que cabem melhor na primavera e no verão, pois no inverno estamos mais emotivos e precisamos de intimidade e de relacionamentos baseados na sinceridade, na nossa verdade interior.
O inverno esta relacionado com o elemento Água, que flui ininterrupta e tranquilamente, contornando os obstáculos, buscando o caminho de menor resistência. Assim também são nossas emoções – fluindo espontaneamente quando em equilíbrio. Os meridianos ligados a este elemento são rins e bexiga (R/B).


Podemos sentir o fluxo da energia através deles quando permanecemos em posturas como: Paschimottanasana, Halasana, Pada Hasthasana.


Alimentação
Nesta estação o elemento fogo está mais escondido, por isto precisamos de mais calor em nossa alimentação. Podemos acrescentá-lo utilizando alimentos assados ou que exijam maior tempo de cozimento.
O sabor ligado ao elemento água é o salgado; seu excesso pode prejudicar a energia de R/B.
Como a água já é fria e úmida, convém moderar a ingestão de alimentos desta natureza. É o momento de utilizar na alimentação as frutas secas – uvas passas, nozes, amêndoas, avelãs, sementes de abóbora e de girassol, castanhas, amendoim (cuidado para não salgá-los). Também vão bem as raízes, especialmente nabo, bardana e cenoura, os feijões em geral, deixados de molho na véspera e temperados com sementes torradas e moídas: coentro, mostarda, e ervas aromáticas – cebola, alho e gengibre.
Cuidado com o excesso de produtos de origem animal, que sobrecarregam a energia dos rins; prefira peixes pequenos de água salgada (sardinha, manjuba, ...)


Alimentação anímica
O repouso, a contemplação, o livre fluir da vida – sem planos e sem temores. A água está relacionada com a sabedoria, que reconhece a impermanência de todas as coisas. O afeto não pode ser comprado ou barganhado, e no entanto ele é a única fonte real de felicidade nesta vida passageira. Contemplando a natureza, a beleza que reside na simplicidade de nossas crianças, desenvolvemos uma sensação de humildade e de gratidão.
Em desequilíbrio R/B geram o medo que contamina tudo na nossa vida, impedindo o raciocínio objetivo, criando o pânico. A ansiedade é uma forma difusa deste medo, pois ela nos leva a querer trazer o futuro para o presente, para controlá-lo, evitando surpresas que gerariam o medo. As dificuldades nos relacionamentos afetivos muitas vezes nascem deste mesmo medo de se abrir para o desconhecido; criamos uma imagem ideal do “outro” e nos relacionamos com ela, para nos sentirmos seguros. Quando endurecemos nossos sentimentos acabamos criando pedras nos rins, pois tudo que não flui endurece ou apodrece.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

YOGA - ANTIGA E ATUAL.




YOGA
Antiga & Atual

Yoga é uma antiga filosofia de vida que se originou na Índia há mais de 5000 anos. Não obstante, ele figura ainda hoje em todo o mundo como o mais antigo e holístico sistema para colocar em forma o corpo e a mente. Literalmente, Yoga significa união pois ele une e integra o corpo, a mente e nossas emoções para que sejamos capazes de agir de acordo com nossos pensamentos e com o que sentimos. O Yoga nos induz a um profundo relaxamento, tranqüilidade mental, concentração, clareza de pensamento e percepção interior juntamente com o fortalecimento do corpo físico e o desenvolvimento da flexibilidade.


As Técnicas do Yoga
Existem várias modalidades de Yoga, cada uma enfocando um aspecto mais do que outro. As técnicas mais utilizadas são:
Ásanas: os exercícios físicos que fortalecem o corpo, aumentam sua agilidade e previnem contra várias doenças, principalmente as psicossomáticas.
Diferente de outros métodos, os exercícios são feitos respeitando o alinhamento das cadeias musculares e com total consciência do corpo.
Assim, não há risco de distensões ou lesões. Além disso, os ásanas desbloqueiam áreas tensas que impedem o fluxo da energia vital.
Em última análise, as doenças surgem quando esse fluxo não é adequado.
São reconhecidos 84.000 asanas, sendo 84 mais importantes, 32 fundamentais e 7 elementais.
A maioria dos asanas estão associados a animais, aspectos da natureza e símbolos.
O Gheranda Samhita emprega 32 asanas e 25 mudras incluindo fechamentos ou compressões chamadas bandhas.
O conceito de asana do Hatha Yoga é diferente do conceito fornecido pelos Yoga Sutras - Texto sobre Raja-Yoga ou Yoga meditativo.
No Hatha Yoga o Asana deve ser aplicado com determinado objetivo de forma a não causar lesão, respeitando os limites do praticante.
De uma forma geral o Hatha Yoga se mostrou para nós ocidentais como um Yoga terapêutico que visa manter a saúde do praticante ou recuperá-la.
Desta forma, todas as posturas são expostas com seu efeito no físico, que é devido em primeiro lugar aos massageamentos dos orgãos internos e efeito circulatório.
Através desses massageamentos e ativação circulatória todo o corpo é afetado positivamente, equilibrando e melhorando a função de todos os sistemas (respiratório, circulatório, nervoso, muscular, articular, endócrino, exócrino, de reprodução, digestivo, de excreção e urinário).


Efeito muscular, ósseo e articular:
Os asanas do Hatha Yoga são utilizados como terapêutica para várias doenças e para a correção postural.
Asma
Depressão
Angústia
Ansiedade
Prisão de ventre
Problemas digestivos
Correção Postural:


A correção postural é essencial para saúde em geral, para a correta energização dos chakras e a Kundaliní.
Desvios:
Lordose
Cifose
Escoliose
O tamanho das pernas e a posição da bacia influenciam toda a postura. Portanto, a correção postural começa com a correção da bacia.
Após é necessário um correto balanceamento muscular (músculos antagonistas com a mesma força e tônus).
Os asanas atuam na musculatura com um efeito de tudo ou nada, isto é, com a permanência na posição - o estímulo nervoso é suficiente para contrair ou alongar todas as fibras musculares.
As contrações são Isométricas, isto é, todas as fibras musculares mantêm a mesma medida.
Esse tipo de contração estimula todas as fibras nervosas e consequentemente todas as fibras musculares se contraem, dessa forma todos os capilares se abrem para receber uma grande quantidade de sangue, o que estimula a circulação sangüínea na totalidade.
Na contração os orgãos tendinosos de Golgi são estimulados produzindo relaxamento posterior. A contração isométrica desenvolve resistência muscular (superior à força desenvolvida pelos exercícios, com tensão e relaxamento) e tônus (semelhante aos alterofilistas).
O alongamento é bastante enfatizado, aliás o alongamento nasceu do Hatha Yoga.
No alongamento o músculo é estirado até o comprimento máximo e mantido por um determinado tempo, é este tempo juntamente com a concentração e o relaxamento induzido pela mente que propicia o alongamento máximo e o relaxamento muscular posterior, pois o músculo alongado permanece relaxado por mais tempo. No alongamento o sangue é jogado para fora do músculo (neste o músculo não necessita de nutrientes).
A alternância de tensão e alongamento propicia um relaxamento completo, circulação renovada e elasticidade muscular, ou seja, o estado saudável da musculatura.
As articulações são trabalhadas na sua totalidade com movimentos amplos em todos os sentidos que as articulações permitem.
Estes movimentos aumentam a flexibilidade.
Os ossos também são beneficiados pelos movimentos. Sabemos que para evitar a osteoporose o exercício é fundamental (juntamente com a alimentação rica em cálcio). A movimentação óssea também é importante para a circulação, porque é na medula óssea de alguns ossos que é produzido o sangue.


Efeito Circulatório
Músculos são massageados pela alternância de contração e alongamento citados anteriormente. Na contração o músculo se enche de sangue e no alongamento o músculo é esvaziado de sangue, esta alternância faz renovar completamente a circulação no músculo.
Nos orgãos as pressões e as descompressões estimulam a circulação e o funcionamento dos orgãos e glândulas.


Efeito Respiratório
Os asanas estimulam a respiração diferenciada. Alguns asanas favorecem a respiração abdominal, outros a respiração torácica e outros a clavicular, e ainda respiração em um ou outro pulmão nas diferentes fases respiratórias. Todas estas variações vão favorecer a respiração completa. As pessoas em geral respiram mal e usam somente 1/3 da capacidade pulmonar.


Efeito nos orgãos Digestivos, de Excreção, Reprodução e Glândulas.
Da mesma forma como nos músculos, com pressões e descompressões, a circulação é ativada regulando a função destes. A circulação nestes órgãos também é ativada pelo efeito da gravidade.


Efeito no Sistema Nervoso
Ocorre que quando o músculo relaxa o sistema nervoso também relaxa. A respiração e a circulação também tem um grande efeito no sistema Nervoso. Quando o sangue está alcalino (com mais oxigênio) o sistema nervoso parassimpático é ativado, relaxando. Quando o sangue está saturado com gás carbônico, e conseqüêntemente com produtos catabólicos retidos, o sistema nervoso simpático é ativado. Nossa geração estressada é Simpático tônica.


Pránáyáma
São os exercícios respiratórios. No inicio, eles vão reeducar os músculos envolvidos na respiração ampliando-a e melhorando a absorção do oxigênio. Depois, eles atuam em nossas emoções auxiliando-nos a lidar melhor com elas e produzindo um estado de equilíbrio interior. Os pránáyámas também agem diretamente sobre nossa energia, aumentando-a e melhorando sua distribuição pelo corpo.
 
Prana (energia vital ) e yama (actividade,domínio)
Crê-se que o domínio da respiração-atracção de prana pela via respiratória fôra criado pelos tântricos e difundido pelos yogues, mas já os Atlantes, Lemúres e Egípcios o praticavam...
Para os híndus a respiração é um fenómeno físico, psíquico e prânico (energético) através do qual nos alimentamos da energia cósmica : Ki.
As técnicas respiratórias restauram a saúde, melhoram a oxigenação do sangue e células ,reequílibram as emoções, aumentam a capacidade vital, reduzem distúrbios respiratórios, reduzem e tratam cardiopatias, reduzem insonias, aumentam a resistência e defesa orgânica, reduzem o cansaço mental , purificam o corpo, expandem a utilização dos alvéolos pulmonares, limpam as vias respiratórias, entre mais…

O chakra cardíaco está ligado ao elemento ar.
Durante o dia evite respirar pela boca, inspire, retenha e expire o ar (três tempos) conscientemente imaginando que inspira energia (o que de facto acontece).
Respirando pelo nariz é que filtramos, humedecemos ou aquecemos o ar.
.
Podemos definir oito formas de pranayama :
.
1- Igualar os tempos de inspiração e expiração.
2- Expansão lateral dos pulmões (respiração intercostal).
3- Expansão superior dos pulmões (respiração clavicular).
4- Expansão inferior dos pulmões ( respiração diafragmática).
5- Sunyaka : manter os pulmões vazios um certo tempo.
6- Puraka: inspiração prolongada.
7- Kumbhaka: manter os pulmões cheios de ar.
8- Rechaka : expiração prolongada.


Yoganidra
Aqui, aprendemos a descontrair conscientemente cada músculo e cada parte do nosso corpo.
Depois, nos imaginamos envolvidos por uma cor específica ou passeamos mentalmente por praias paradisíacas, belas montanhas, campos floridos, etc.
Tudo isso para que possamos sair da agitação do cotidiano e perceber outras formas de viver com mais tranqüilidade.
A serenidade advinda desses momentos é deliciosa e permanece por vários dias.
 
Em sânscrito Yoga é união e nidra, sono. Assim yoganidra é o "sono" do praticante de Yoga, um estado interior onde o corpo físico se encontra completamente descontraído, a mente se ocupa com imagens positivas e não nos envolvemos com emoções conturbadas. Apesar do nome se referir ao sono, a consciência está plenamente desperta.
No nível físico o relax produz a total descontração da musculatura. As emoções e preocupações cotidianas produzem contrações musculares que podem se tornar crônicas.
Através da localização da consciência e da mentalização você elimina a tensão excessiva de cada parte do corpo. Além disso, o relax após a prática de Yoga nos auxilia a assimilar a energia e os benefícios produzidos pelos outros exercícios. Isto acontece porque ao descontrair, permitimos uma melhor circulação da energia.
Esta técnica atua também no plano emocional. Ao entrarmos em relaxamento nos distanciamos de problemas e emoções desarmonizadas espairecendo a cabeça e conseguindo olhar os fatos de uma maneira mais objetiva. Relaxando, conferimos ordem aos pensamentos.
Na esfera mental o yoganidra ativa o cérebro dando maior rapidez e mais clareza ao raciocínio.
Os passeios que fazemos pelas paisagem da mente estimulam a criatividade e abrem caminho para explorarmos novas potencialidades.
Com os pensamentos tranqüilos, somos capazes de penetrar num profundo estado de paz interior.
Durante o relax é muito comum experimentarmos sensações incômodas. A
lgumas vezes parece que existe uma formiga andando sobre a pele, outras vezes sentimos uma irresistível coceira no nariz e algumas pessoas relatam que têm vontade de se levantar pois sentem muita ansiedade no relax. Tudo isso é natural pois não estamos habituados a ficar "parados" e essas sensações desaparecerão se você persistir na prática.
Nossa sociedade valoriza demais a atividade. O que conta é produzir, fazer e acontecer. Assim, nosso cérebro fica programado para a atividade e não nos permite nem um minuto de descanso.
Quando paramos para descontrair ele nos bombardeia com coceiras, imagens desconexas, inquietude, etc. Mas, aonde está escrito que não temos direito a relaxar?
Quem decidiu que a descontração é um pecado? Vamos começar a reconhecer o valor do relaxamento e da "passividade" pois é durante este estado de descontração que surgem as idéias mais brilhantes e as soluções mais criativas.
Se a atividade no mundo objetivo é importante teremos que reconhecer que ela é, na verdade, apenas o fruto da atividade interna que alcançamos quando relaxamos.
Outra dúvida freqüente é se podemos dormir no relaxamento.
Poder pode, mas não deve.
Não que haja algum inconveniente, mas se você adormecer ou deixar o pensamento disperso estará perdendo todas as mentalizações e reprogramações positivas que fazemos nesse exercício. Para permanecer acordado basta que você se concentre na voz do instrutor.
Participe ativamente do relax criando as imagens e experimentando as sensações que ele indicar.
Uma forma de fazer um relax rápido é:
Visualizar uma paisagem que você conheça ou não. Crie o máximo de detalhes possível e sinta-se nesse lugar.
Imaginar que você está em uma sala preenchida por luz azul. Você inspira essa luz, deixa que ela relaxe seu corpo e a devolve para o ambiente expirando.
Sentir-se flutuando no espaço tal qual uma ave.
Meditação: meditar é sentar-se quieto e observar a si mesmo. Estamos sempre preocupados em conhecer tudo aquilo que está ao nosso redor mas nos empenhamos muito pouco em descobrir o que acontece dentro de nós: como lidamos com os fatos da vida, como pensamos, como sentimos, quais nossas verdadeiras aspirações.
A meditação nos oferece a possibilidade de nos conhecermos mais profundamente.
A prática da meditação, embora simples, requer bastante disciplina e regularidade. Abaixo estão algumas dicas de como iniciar sua prática de meditação.
Escolha um lugar sereno onde você possa sentar-se de maneira confortável e com a coluna ereta.
Pode ser numa cadeira ou no chão com as pernas cruzadas. Sentar-se sobre uma pequena almofada ajuda a manter as costas eretas.
Use roupas que não apertem nem incomodem.
Acender um incenso ou colocar uma música bem suave pode ajudar a criar um clima de tranqüilidade no início.
Depois de algum tempo, pode ser que você prefira dispensá-los.
Evite meditar quando estiver com sono ou muito cansado. Você se sentirá frustrado por não conseguir se concentrar e desanimará de sua prática diária. Um bom horário para meditar é pela manhã, quando estamos mais tranqüilos e descansados. Porém, isso também é individualizável.
Se você sentir que consegue melhores resultados à noite, escolha esse horário.
Comece com dez minutos diários. Coloque um relógio para despertar após esse tempo, assim sua mente não poderá sabotá-lo fazendo-o acreditar que já se passaram muito mais que dez minutos.
Não se mova durante esse tempo. O corpo é como um pote e a mente é a água dentro dele. Mover o recipiente faz com que a água também se mova e, lembre-se, o que você quer é que sua mente permaneça quieta e imóvel.
A atenção deve estar voltada para o objeto da meditação (a respiração, um símbolo, etc.) sem que isso necessite de grandes esforços. Caso você disperse, reconduza sua atenção suavemente ao objeto escolhido.
Qualquer coisa que aconteça estará bem. Se houver um monte de pensamentos desfilando pela sua cabeça, se você tiver vontade de chorar ou de rir, se você achar que nunca vai conseguir se concentrar, tudo bem. Apenas continue sentado e, sempre que possível, volte a sua atenção para o objeto sobre o qual está meditando.

VIDA PLENA E EQUILIBRA



Dicas para viver a vida consciente, plena e equilibrada


1. Todos nós ao nascer, ganhamos um espelho. Este espelho é, então, colado no nosso peito. E assim vivemos toda a nossa vida, refletindo o outro e vendo no (espelho do) outro o nosso reflexo. Hermann Hesse disse : “ Se você odeia uma pessoa, odeia algo nela que faz parte de você. O que não faz parte de nós não nos incomoda.”
Viver considerando isto, vai desenvolvendo nossa compaixão, nossa tolerância, nossa empatia e nossa solidariedade para com as nossas fraquezas e dificuldades e as dos outros.


2. Cem por cento do que somos e vivemos (inclusive o que supomos ser acidentes) é fruto de nossas escolhas e opções. Conscientes ou inconscientes. Desta ou de outras vidas.
Viver consciente disto desenvolve nosso discernimento e nossa responsabilidade para com a vida, com as pessoas e com nossas atitudes.


3. Livre-se da culpa. A única função da culpa é manter sua auto-estima baixa (por isso algumas religiões fomentam a idéia da culpa para assim manter poder). Transmute a culpa por responsabilidade. Ninguém é culpado de absolutamente nada, mas todos são completamente responsáveis por tudo.
Viver assim te torna mais atento e cuidadoso para com toda a existência.


4. Desenvolva a aceitação. Sempre que entramos em contato com alguma dificuldade ou fraqueza nossa, através de alguém ou de alguma circunstância, normalmente o primeiro impulso da mente/ego é: ou nos defendemos, negando e resistindo a entrar em contato (muitas vezes entrando na irritação e na revolta, geralmente imputando a culpa a alguém ou a alguma coisa), ou entramos na condição de vítimas, mergulhando na baixa auto-estima.
Aceite sua natureza humana como ela é e aceite também a sua sombra. Entenda que você está aqui na Terra para aprender e expandir sua existência. Um Mestre hindu falou: “Errar, ter defeitos, falhas, fraquezas, é seu direito. Trabalhar para transmutar isso tudo é seu dever”.


5. Tudo no Universo tem duas polaridades : yin/yang, masculino/feminino, positivo/negativo, etc. As emoções e os sentimentos também tem duas polaridades: o outro lado da tristeza é a alegria, do medo é a coragem, da raiva é a energia de realização, do ódio é o amor e o perdão, da ansiedade e da angústia é a calma e o centramento, da baixa auto-estima é a confiança em si mesmo, enfim, nosso grande trabalho de transmutação é estar constantemente reequilibrando estas polaridades. Os hindus diriam que devemos estar sempre transmutando Tamas e Rajas em Sattwa, isto é, trazendo sempre os pensamentos, sentimentos e atos densos , limitadores e negativos, para as freqüências mais sutis.
Viver assim economiza um bocado de energia. Considerando que tudo na vida é passageiro, é mais inteligente procurar mudar a polaridade das coisas e dar a volta por cima do que ficar naufragando constantemente nos mesmos padrões psico-emocionais.


6. Desenvolva a neutralidade e a observação. Os índios chamam isto de “visão da águia”: sair voando de dentro do burburinho dos eventos e, de cima, com uma perspectiva ampla, observar os acontecimentos sem identificação ou julgamentos. Ou, em outro exemplo: sair de dentro do rio caudaloso de nossa vida - onde estamos imersos até o pescoço - sentar na margem e observar. Quando dentro do rio, imersos até o pescoço, qualquer ondinha nos parece um vagalhão, mas quando nos sentamos à beira do rio, a ondinha novamente vira ondinha, e aí podemos ter uma perspectiva mais correta e um envolvimento menos sofrido com as coisas.
Isto desenvolve uma profunda consciência da relatividade dos pontos de vista e, por conseguinte, o redimensionamento da nossa identificação e envolvimento com a transitoriedade da vida.


7. Evite as comparações. Lembra do “jardim do vizinho é sempre mais bonito” ? Ledo engano! Grande armadilha! Mal sabemos que o vizinho ao olhar nosso lado também pensa a mesma coisa sobre algum aspecto de nós...
Considerar este fato, te livra do peso dos julgamentos alheios e te torna mais centrado em teu próprio eixo.


8. Os hindus dizem que todas as doenças que existem - sejam físicas, emocionais, psíquicas ou energéticas - derivam, de uma forma ou de outra, de uma única doença: a ignorância de nossa natureza real, a Unidade (eles chamam esta ignorância de avidya e a Unidade de Brahman).
Toda a criação é uma grande web onde tudo é interagente, interdependente e holográfico. Realmente não estamos irremediavelmente presos a tempo e espaço e às três dimensões (não só as antigas tradições, mas a física quântica atual afirmam amplamente esta questão). Considerando nossa natureza una, saiba que não há nada fora de você que você precise obter que já não tenha. Está tudo dentro de você, todo o Universo. Você apenas precisa relembrar sua natureza original, que está pulsando em cada partícula do Universo, em cada pessoa, em cada ser de cada reino. Todo amor, paz e felicidade já estão dentro de você, sempre.
Você decididamente não é um pecador. Você não é uma pedra bruta que precisa ser lapidada. Você já é uma jóia pronta, maravilhosa, só que recoberta pela poeira desta ignorância primordial.
Passar a considerar estas verdades milenares em nossa vida cotidiana desenvolve nossa co-participação consciente no Universo nos seus mais diversos níveis de existência.


9. Todo o Universo é consciente ! Cada pessoa, cada animal, cada planta, cada pedra, cada célula, cada átomo, cada galáxia... A consciência não é um privilégio do cérebro humano, que é apenas um dos veículos onde esta Consciência se expressa. Esta é a chamada onipresença e onisciência de Deus. Os índios têm formas sofisticadas de entrar em contato e interagir com a consciência subjacente à Natureza.
Viver considerando este fato torna tua vida muito mais respeitosa, consciente e responsável.


10. Quando a vida nos apresenta algum evento desconfortável, algum obstáculo ou algum confronto, normalmente o que é acionado em nosso corpo/mente é o “automático” lutar ou fugir. A adrenalina está sempre pronta para desencadear ação. Mas a verdade é que na maior parte das vezes não seria necessário lutar nem fugir, bastaria relaxar e observar, e a partir daí agir com consciência, ou então deixar os acontecimentos se desenrolarem naturalmente. Vamos investir mais nas endorfinas! Faça Yoga ou TaiChiChuan!
Desta forma, em todos os níveis e setores da nossa vida, podemos integrar firmeza e simultaneamente relaxamento – só firmeza gera rigidez e só relaxamento gera moleza !


11. Adote a pergunta : “O que é que eu tenho que aprender com isso?”. Todas (todas mesmo) as coisas que nos acontecem, vem para nos ensinar. A vida está sempre fazendo suas arrumações para que possamos aprender e evoluir. Por isso alguém já disse: “cuidado com o que você deseja pois pode acontecer!”. Nós costumamos achar que quando pedimos à Deus alguma virtude, Ele vai milagrosamente introduzir esta virtude em nossa mente e de repente ficamos pacientes, ou disciplinados, ou tolerantes. Provavelmente o que a vida fará é te proporcionar situações que vão te fazer desenvolver aquela virtude. Se você pediu paciência, provavelmente vai atrair pessoas que vão te fazer perdê-la, e aí é que estará o seu aprendizado.
Então, sempre que as pessoas ou as circunstâncias te trouxerem desconfortos ou incômodos, ao invés de se revoltar, se ofender ou se entristecer, ou ainda, achar que a culpa é do outro, pergunte à Vida o que esta situação está te obrigando a trabalhar, que virtudes e qualidades você está tendo que desenvolver para lidar com isso de forma harmônica e equilibrada.
Este procedimento com certeza vai aumentar enormemente a qualidade de nossa consciência e a conseqüente percepção dos movimentos da vida e do seu sentido.




12. Gastamos grande tempo mental ficando angustiados por um passado que não podemos mais mudar e/ou ficando ansiosos por um futuro que ainda não chegou. Outra grande parte, ainda, gastamos sonhando acordados, delirando os nossos sonhos e desejos. E aí duas coisas ocorrem: uma: sobra pouco tempo para a consciência do aqui-e-agora, o presente, que é onde efetivamente a vida acontece; duas: quando precisamos da mente para as coisas que ela foi feita para funcionar – a nossa vida humana diária – esta mente tem dificuldade em se concentrar, em estar presente, inteira, poderosa, centrada.
Concentrando-nos no presente desfrutamos mais da vida. A meditação é um ótimo treinamento para aprender a viver no presente, nos livrando das pré-ocupações e desenvolvendo uma mente verdadeiramente eficiente.


13. Infelizmente, ainda vivemos sob a ideologia do “ganha-perde”, ou seja, temos muito incutida em nossa cultura a idéia de que para se ganhar alguém precisa perder. É assim que se construiu, por exemplo, o sistema capitalista. Também é seguindo esta filosofia que está-se destruindo nosso planeta. E é desse ganha-perde que estão impregnadas as nossas relações (lembra da lei de Gérson?). Não só no sentido profissional e financeiro, mas também no emocional e no afetivo.
É urgente reimplantar-se o “ganha-ganha” nas relações interpessoais e nas relações do homem com a Natureza. Não existe nenhuma possibilidade de ganho real para nada nem ninguém, em nenhum setor da vida, se este ganho for obtido em detrimento da perda de alguém ou de alguma coisa. Na visão oriental, o Karma Yoga é a técnica que visa reeducar o homem e a sociedade para a verdadeira forma de ganhar.
Este procedimento simples pode transformar toda a perspectiva que temos em relação à vida, entendendo e vivendo na prática a grande lei universal de causa e efeito.


14. Atente para a sincronicidade. Uma escritura hindu diz : “Nenhuma folha de grama se mexe sem uma razão”. Nada é casual, mas tudo é intrinsecamente causal. Um outro Mestre disse : “nós falamos com Deus através da oração, e Ele nos fala através da sincronicidade”. O Dr. Jung percebeu que era esta qualidade da Criação que fazia com que as artes divinatórias (I Ching, Tarot, Runas, Búzios) funcionassem. Todo o Universo é Um, portanto tudo é interrelacionado. E a Lei do Karma é quem disciplina este interrelacionamento. Atente para os sinais! O tempo todo o Universo está interagindo com você!
Estar atento à sincronicidade desenvolve a intuição e a expansão da percepção do movimento consciente e multidimensional do Universo.


15. E finalmente – e sobretudo - “não faças aos outros o que não queres que te façam” é a regra de ouro. Viver integralmente assim te torna efetivamente consciente, pleno e equilibrado.



LAKSHMI




Lakshmi é uma divindade do hinduísmo, esposa do deus Vishnu, o sustentador do universo na religião hindu. É personificação da beleza, da fartura, da generosidade e principalmente da riqueza e da fortuna. A deusa é sempre invocada para amor, fartura, riqueza e poder. É o principal símbolo da potência feminina, sendo reconhecida por sua eterna juventude e formosura.

Lakshmi é uma Shakti, a esposa de Vishnu. Manifesta o poder que sustenta o Universo e o mantêm em equilíbrio. É representada sobre a flor de lótus, símbolo da pureza e do conhecimento. Valoriza a beleza, a generosidade, a justiça, misericórdia e representa o bem-estar, a boa alimentação, fertilidade, riqueza espiritual e material, saúde e sorte.
Pode ser vista sentada sobre uma flor de lótus, ou segurando flores de lótus nas mãos, e um cântaro que jorra moedas de ouro.

Lakshmi é uma Deusa Indiana consorte Vishnu, um Deus Protetor, que é muito amada por seu povo. Foi ela que deu a Indra, o Rei dos Deuses, o soma (ou sangue do conhecimento) do seu próprio corpo para que ele produzisse a ilusão do parto e se tornasse o Rei dos Devas.
A Deusa Lakshmi significa "boa sorte" para os hindus. A palavra "Lakhsmi" é derivada da palavra "Laksya" do sânscrito, significando o "alvo", o "objetivo".



REENCARNAÇÕES DA DEUSA

A Deusa-Mãe Lakshmi é consultada pela população hindu, buscando algum tipo de riqueza. Há oito modalidades de se adorar Lakshmi, levando em conta o resultado desejado.


* Santhana lakshmi - Ela protege toda a Riqueza da Família, principalmente as crianças.
* Gaja laksmi - Ela surge como Rainha Universal com seus dois elefantes que atendem todas as preces e orações..
* Aishwarya lakshmi - Só Ela encerra a totalidade do conhecimento, tanto material quanto espiritual.
 Dhanya lakshmi - É Ela que alimenta o mundo nos concedendo a Riqueza da boa colheita dos grãos.
* Adhi lakshmi - Ela é a Mãe Divina e fonte de todo o poder de Vishnu.
* Vijaya lakshmi - É Ela que nos concede a vitória sobre obstáculos e problemas (vitória tb, no trabalho e aspectos legais)
* Dhana lakshmi - Ela é a doadora do todo tipo de riqueza
* Veera lakhsmi ou Dhairyalakshmi - Ela  nos dá força e coragem para enfrentarmos qualquer sacrifício.


OS BENEFÍCIOS DA ADORAÇÃO
Cada um dos aspectos ou reencarnações acima, são chamados de"vrata". Por exemplo, para alcançar a vitória na guerra ou em batalhas legais, deve-se ativar o vrata Vijaya-lakshmi. Para a saúde, o vrata de Veera-lakshmi da coragem e do poder deve ser ativado. Para que a casa ou comércio seja próspero o vrata indicado é o Dhanya-lakshmi. E assim por diante...
Todos que empreendem a busca de um vrata da Deusa Lakshmi com fé e sinceridade, conseguirão o que desejam.



ADORAÇÃO
Para as mulheres é importante a conexão com a Deusa Lakshmi, pois ela traz muita prosperidade para toda a família. A mulher hindu tradicional preza muito pela conservação de um lar saudável e próspero. Conseqüentemente, as mulheres pedem a ajuda de Lakshmi para assegurar essa harmonia, especialmente porque ela é considerada como modelo de esposa perfeita. O relacionamento de Lakhsmi e Vishnu ilustra esse aspecto.
Qualquer ritual deve ser realizado em uma sexta-feira que coincida com os dias 11 ou 21 do mês. Não deve-se comer carne nesse dia.

Sempre que o puja(ritual de adoração) é realizado, ele compreende três componentes importantes: ter uma imagem ou ilustração da Deusa; o ato do puja, ou adoração que inclui moedas,flores, frutas e alimentos que devem ser lhe oferecidos e no final os alimentos são abençoados e devem ser consumidos.

Executando-se essas três etapas cria-se um relacionamento emocional direto com a Deusa.
Você pode criar em sua casa um pequeno altar para adorar Lakshmi e pedir prosperidade e riqueza para sua vida. É só achar um cantinho ou uma mesinha vazia, cobri-la com uma toalha amarela e colocar a imagem ou uma fotografia da Deusa. Coloque então uma vasilha com água pura, duas lamparinas à óleo ou velas vermelhas, incenso indiano, moedas, uma bandeja com 5 variedades de frutas da época, um vaso com rosas vermelhas, pasta perfumada da madeira de sândalo, e Panchaamrutam, que é uma mistura de mel, manteiga purificada (ghee), coalhada, leite e açúcar. Pode ser substituído por um doce de ambrosia, que é mais conhecido por todos nós. Coloque um som ambiental com músicas indianas.
Depois que o altar estiver pronto sente-se em uma cadeira ou na posição de lótus no chão e feche os olhos. Agora imagina-se flutuando em um rio em cima de uma flor de lótus vermelha gigante. Ao seu lado estará Lakshmi, linda em seu sari vermelho todo bordado de dourado. Converse com ela e diga que você lhe trouxe muitos presentes para serem trocados por sua abençoada sabedoria. Deixe que o fluxo de sua imaginação carregue você, escute as palavras da Deusa e aqueça-se com sua abundância.
Quando quiser voltar é só se despedir da Deusa, respirar três vezes profundamente e abrir os olhos.


DEUSA DO AMOR, DA BELEZA E DA PROSPERIDADE
Lakshmi é uma Deusa do amor e da beleza, da sorte, da prosperidade e do sucesso. No hindu moderno é representada como uma jovem de longos cabelos negros brilhantes e soltos, vestindo um sari (vestido típico das mulheres da Índia) vermelho com bordados dourados e usando diversas jóias como: colares, braceletes, pingentes e um aro no nariz com incrustações. Em sua cabeça ostenta uma coroa (Mitra) que representa o Monte Meru, a "Morada dos Deuses", que se vê circundada por um aro de luz que simboliza a Luz Solar. Em suas diferentes representações, pode mostrar-se com uma tez escura, ressaltando seu caráter de consorte de Vishnu; quando sua tez é da cor dourada, simboliza fonte de riqueza; se é branca, é a forma mais pura de Prakriti (da natureza); se a tez é rosada, se mostra como a Mãe de todas as criaturas.
Apesar dela aparecer em inúmeras ilustrações com quatro braços, é normalmente representada apenas com dois, segurando uma flor de lótus, ou sentada sobre ela com um cântaro que jorra moedas de ouro e flanqueada por dois elefantes. Normalmente nos templos da Índia, Lakhshmi está em pé ao lado de seu consorte, o Deus Vishnu, o segundo membro da trimurti hindu. A Trimurti ("tripla estátua"), ou trindade, da divindade hindu consiste de: Brahma, Vishnu e Shiva.
Quando é representada por quatro braços, os dois posteriores carregam flores de lótus (conhecimento desenvolvido); os braços anteriores mostram suas mãos doadoras de pepitas de ouro ou gemas, símbolos da fortuna que entrega aos homens: ouro e a gema do conhecimento. As quatro mãos significam os quatro fins da vida humana: dharma (atos de justiça e dever), kama (prazeres sensuais), artha (riqueza) e moksha (libertação espiritual final). As mãos da frente representam a atividade de mundo físico e as detrás, indicam as atividades espirituais que conduzem à perfeição espiritual.
A posição das mãos: em Abhaya até Mudrá ou postura de Proteção no caminho da devoção, e em Varada até Mudra ou Doadora de dons.
O assento de lótus, onde a Deusa se posiciona em cima, significa dizer que devemos apreciar a riqueza, mas não devemos nos tornar obsessivos por ela. Nossa vida deve ser análoga a um lótus, que cresce na água, mas não é molhada por ela. Os lótus, quando mostrados em vários estágios de florescimento, representam os mundos e os seres em vários estágios de evolução. A flor de lótus sustentada pela mão direita posterior nos dá a idéia de que devemos executar todos os nossos deveres de acordo com o dharma. Isso nos conduzirá ao moksha (libertação espiritual final) que está simbolizado por um lótus na mão esquerda posterior.
As moedas de ouro que caem na terra da mão anterior de Lakshmi ilustram o seu poder de doar riqueza e prosperidade para seus devotos. Os dois elefantes ao fundo simbolizam o nome e a fama associados a riqueza temporal. A idéia passada é que o devoto que obtiver a graça da riqueza não é tão somente para adquirir nome e fama ou para satisfazer seu próprio desejo material, mas deve compartilhar com o outro a fim de também propiciar-lhe felicidade. As trompas dos elefantes que sustentam cânforas das quais jorram água, representam as águas do Sagrado Ganges ou também o Amrita obtido através do "Batimento ou Agitamento" do oceano do qual Lakshmi surgiu esplendorosa, com uma beleza sem par.
Muitas vezes Laskhmi é mostrada portando uma cânfora com Amrita (elixir da imortalidade do espírito), coberta de Kusa (erva ritualística).
Como Deusa da prosperidade Lakshmi, é chamada também como Dharidranashini (a que destrói toda a pobreza) e Dharidradvamshini (àquela que se opõe a pobreza).

Outros nomes que são dados para Laksmi incluem Hira (jóia), Indira (A Poderosa) e Lokamata (A Mãe do Mundo). Entretanto, é chamada também de Chanchala que significa "volúvel", ou aquela que não fica em um lugar por muito tempo. Isso significa que a fortuna e a riqueza não permanecem por tempo prolongado nas mãos de qualquer um. Somente aqueles que são merecedores do respeito da Deusa terão esse privilégio. Portanto, não devemos somente adorá-la, mas também não devemos desperdiçar dinheiro em artigos ou projetos desnecessários.



FESTIVAL DIWALLI
O festival de luzes de Lakshmi se chama Diwalli (25 outubro), que homenageia essa Deusa como a esposa de Vishnu. Nessa noite, as esposas hindus dançam particularmente para seus maridos. Lanternas de óleo são acesas por toda parte e pratos típicos são servidos. Esse é o Natal hindu, um período de boa sorte e prosperidade. Essa festa tem duração de uma semana.

Um dos costumes associados com o Diwalli é o jogo, especialmente ao Norte da índia. Se diz que nesse dia a Deusa Parvati jogou os dados com seu marido Shiva e declarou que quem jogasse na noite de Diwalli, prosperaria durante todo o ano seguinte. Ainda hoje, os hindus conservam a tradição do jogo de cartas.
Diwalli é de grande importância para a comunidade dos negócios. As casas e locais de trabalho se renovam e se decoram. As entradas se adoram com lindos motivos tradicionais de desenhos Rangoli para receber a Deusa da riqueza e da prosperidade. Para indicar sua tão esperada chegad se desenha por toda a casa pequenas pisadas com farinha de arroz. As lamparinas e velas devem ser mantidas acesas por toda a noite. As mulheres compram algo de ouro ou de prata, ou algum utensílio novo para ser usado nessa noite.
Ao entardecer, quando se acendem as velas e lâmpadas de azeite, se venera a Deusa entoando canções de devoção e lhe é oferecido também, doces tradicionais.


RITUAL PARA A FELICIDADE
O que é a felicidade? Todos nós a desejamos, porém sabemos o que nos tornaria felizes? Par muitos de nós é o amor, porém não para todos. Para alguns é ter o dinheiro suficiente para desfazer-se das preocupações financeiras. Outros estão satisfeitos, mas faltam-lhes tempo para se dedicarem á certos interesses. De maneira que, antes de implorar a Lakshmi pela felicidade, tome um pouco de seu tempo para decidir o que é que o faria feliz.
Quando estiver pronto (a) para realizar o ritual, vista-se com uma roupa dourada, a cor de Lakshmi. Se não tiver roupa dessa cor, pelo menos use algum adorno, ou envolva-se em um papel dourado. Se for possível, use sapatos e cintos dourados e use muitas jóias de ouro. Acenda uma vela dourada e coloque-a se possível em um candelabro que deve ser de bronze ou algum metal dourado.



Invoque a Deusa:
-"Lakshmi, que conferes a felicidade à vontade, faz com que tua felicidade se derrame sobre mim".
Deixe a vela se consumir até o fim ou a maior quantidade de tempo possível. Repita esse ritual à tarde durante um mês, para atrair a atenção de Lakhsmi sobre você.



RITUAL DE PROTEÇÃO
Acenda quantas velas douradas forem possíveis em torno do círculo. Toque uma música indiana para criar um clima. Se possuir uma imagem de Lakshmi, ponha-a em seu altar. Acenda incenso de lótus.
Junte as mãos em oração e curve-se, tocando a testa com a ponta de seus dedos. Diga:


AOOOOOO MMMMMMMMM (longo mantra)
Deusa Eterna, Tríplice Mãe
Deus dançarino de poder e força,
Abençoe-me com sua presença.
Preencha-me com sabedoria, magia e luz.


Ouça a música por alguns minutos para entrar no ritmo. Diga:
Contemple os pés dançantes de Lakshmi enquanto dança para seu consorte.
Lakshmi, Deusa da sorte, amor e prosperidade,
Eu a saúdo com alegria e esperança.
Dance, Lakshmi, Dance!
Seus pés ágeis trazem sorte à minha vida.
Suas mãos manifestam a prosperidade para mim.
Honra à Deusa! Amor à Deusa!
Tomando cuidado com as velas acesas, dance prazerosamente pela área ritual. Quando a energia estiver suficientemente elevada (é possível senti-la), volte para o altar e junte as mãos, Curve-se e diga:
Com alegria e esperança, meu coração recebe Lakshmi.
Entre Lakhmi, Senhora da boa sorte e da prosperidade.


Faça reverencia  à Deusa e dance lentamente em torno da sala mais uma vez, desta vez apagando cada vela à medida que passa por elas. Diga:
Deusa dançante das luzes,
A Sorte banha seu filho.
Levante o véu das noites depressivas,
E abençoe-me, suave Deusa.
Tesouros do fundo da Terra,
Pedras preciosas e belos metais,
Riqueza infindável, prosperidade,
Para que eu satisfaça os desejos
Da minha mente e corpo.
Poderosa Lakshmi,
Ilumine meu futuro.
Suavize meu destino.


CONECTANDO-SE COM LAKSHMI
Numa quinta feira de Lua Crescente pegue uma moeda dourada e respingue algumas gotas de óleo de lótus. Peça a Lakshmi que a moeda seja consagrada para lhe trazer riquezas e prosperidade. Diga o seguinte encanto:



"Lakshmi, Senhora da riqueza e do amor,
Abençoe esta moeda.
Que a prosperidade esteja comigo onde quer que eu vá,
Trazendo as realizações na hora correta."
Guarde a moeda em um saquinho de veludo vermelho e carregue-o sempre com você.



MANTRA PARA ALCANÇAR A PROSPERIDADE
Om Sreem Kareem Aum Kubera Lakshmi Kamala Daveenyai Dhanakashinyai Sowaha
O mantra deve ser recitado 108 vezes e depois a riqueza e prosperidade estarão presentes em nossas vidas.

terça-feira, 26 de julho de 2011

APRENDENDO A VER A AURA!!

 

O que é aura?

A aura é um campo energético que envolve o nosso corpo físico e nos dá toda a leitura emocional do nosso corpo físico. Nossos medos, nossas angústias, nossas raivas, enfim, todo o emocional. Nossa aura tem 7 faixas, cada faixa tem uma cor, cada cor está relacionada com a cor dos nossos chackras. Assim, quando você está de bem com a vida, num estado de espírito muito bom, as cores da aura são bem vivas e bem fortes.
A forma e a cor da aura refletem o estado físico, mental e emocional da pessoa. Problemas de ordem física e/ou psicológica, ao alimentar sentimentos negativos, dariam à aura uma cor escura, como o marrom; cores claras significariam que a pessoa goza de boa saúde emocional. A aura é visualizável quando a vibração está dentro do espectro da luz entre o vermelho e o violeta. Emoções conscientes tendem a modificar a cor da pele da pessoa observada, dando às vezes uma impressão de alteração da sua textura. Estados emocionais semi-conscientes teriam maior propensão a projetar um halo luminoso, de uma distância de alguns centímetros até um metro do corpo, o que cria um efeito de campo detectável por quem esteja próximo, uma explicação para produção de simpatias ou antipatias, aparentemente gratuitas, mas que são efeitos de um fenômeno similar à influência de um campo magnético.
A existência da aura já foi provada cientificamente.
 
 
Exercícios para ver a aura
Método 1
Fixe seu olhar em uma cartolina de cor azul por 5 minutos, evitando ao máximo piscar os olhos. Em seguida, olhe para a pessoa que deverá estar na frente de um fundo branco. Você verá a imagem da sua aura.
Método 2
Esta técnica é bem simples pois você usará sua intuição. Coloque-se na frente da pessoa. Fixe seu olhar nos intercílios (entre os olhos). Conte até 5 e feche os olhos por alguns segundos.
Depois, fixe sua atenção no alto da cabeça da pessoa que está na sua frente. Conte até 5 novamente. Feche os olhos e pergunte a si mesmo, mentalmente: "Qual a cor da aura que vejo?". 
 
  Como fortificar sua aura?-
 
Tome cuidado com sentimentos constantes de ciúme, raiva, ódio ou inveja, pois estes podem atuar negativamente sobre o equilíbrio do seu campo energético.
- Tente combater ao máximo as situações de estresse, se possível através de exercícios físicos ou de relaxamento, como a meditação.
- Caminhe todos os dias pela manhã (se possível por 20 minutos).
- Viva situações que salientem o seu lado alegre.
- Uma vez ao mês, faça o banho de água com sal.
- Faça orações, pois estas expandem seu corpo físico, já que a prece serve como um oxigênio
da alma.
Entenda o significado das cores da sua aura:
 
Verde:
Autoconfiança, capacidade de resolver problemas e de perdoar e de amar a paz; sensibilidade. É organizador, planejador e estrategista. A predominância da cor verde na aura das pessoas indica saúde e vigor. Esse tom costuma aparecer com grande intensidade na região da cabeça, pois está associado á atividade mental. Nos animais, a aura verde indica mansidão. Nas plantas, demonstra a emissão de fortes ondas de energia positiva, sendo muito comum nos vegetais dotados de propriedades curativas. Os objetos de aura verde são de uma autêntica fonte de positividade. Costumam apresentar esse tom depois de terem sido tocados por pessoas que estão de bem com a vida.
Amarela
 Capacidade de dar e receber; ter esperanças; a saúde e a família desempenham um papel importante. Tem o dom de trabalhar em grupo harmoniosamente. O amarelo é uma das cores cinestésicas do espectro; isso significa que uma pessoa com aura desta cor tem uma reação física antes de ter uma resposta emocional ou intelectual. Quando ele entra numa sala cheia de gente, sabe de imediato se quer permanecer ou não. A predominância da cor amarela na aura das pessoas indica inteligência, facilidade para se comunicar e para aprender e supremacia da razão sobre a emoção. Nos animais, pode ser sinal de doença, debilidade física ou tristeza.
Nas plantas significa falta de vitalidade, especialmente se a tonalidade do amarelo for muito fraca. Já os objetos de aura amarela costumam ser dotados de pouca energia ou emitir vibrações ruins.
Azul:
Capacidade de cura através das próprias energias mentais e espirituais; age sobre os outros de modo agradável e calmante; altos ideais de vida; sinceridade. O Azul personifica as características do cuidado e do carinho. É a cor da aura que mais se preocupa em ajudar os outros. Predominância da cor azul na aura das pessoas indica paz interior, harmonia, saúde equilibrada. Bem estar, descanso e autoconfiança. Geralmente se manifesta com maior intensidade após um ato sexual satisfatório e durante o sono. Nos animais, a aura azul é sinal de felicidade e de satisfação com o tratamento que vêm recebendo do dono. Nas plantas, indica propriedades tranqüilizantes e analgésicas. Nos objetos, pode ser interpretadas como uma emanação de fluidos positivos.
Laranja:
Sua busca espiritual é, na verdade, uma busca de um sentido de vida além de si mesmo. A predominância da cor laranja na aura das pessoas indica capacidade de realização, sensualidade, boa saúde, versatilidade e dinamismo. Nos animais é sinal de manifestação dos instintos (fome, sede, desejo sexual). Nas plantas, indica a produção de sementes ou o nascer das flores. Nos objetos, expressa um grande potencial energético (é comum na aura de sinos e de objetos religiosos em geral).
Dourada:
 Adora saber como e por que uma determinada coisa funciona, e lança mão de uma paciência infinita. A espiritualidade, para a pessoa de aura dourada, é o estudo da ordem superior do universo e de leis e princípios que o governam. Ele quer entender a organização mental, as leis ou as probabilidades que geraram a ordem no interior do caos espiritual. A predominância da cor dourada na aura das pessoas indica espiritualidade elevada e prosperidade. Ela surge com mais intensidade na região do tórax, pois está associada ao amor, qualidade inerente ao centro energético do coração. Nos animais, o dourado expressa felicidade. Nas plantas, simboliza suavidade e fluidos positivos. Nos objetos, mostra que foram tocados por uma pessoa bem intencionada.
Vermelha
 Ênfase no modo de vida material; sucesso alcançado através da dedicação pessoal completa; saúde física estável; tendência à irritabilidade quando contrariada. A predominância da cor vermelha na aura das pessoas indica vitalidade, excitação coragem e forte energia sexual. Porém se estiver muito concentrada num determinado ponto, pode ser sinal de um distúrbio. Nos animais, exprime instinto e vigor, ao passo que nas plantas está associado ao crescimento. Nos objetos, indica que eles foram tocados por alguém que estava entusiasmado ou ansioso e que os deixou impregnado dessa energia.
Violeta:
Espiritualidade bem desenvolvida; inspirações criativas; capacidade de transformar os sofrimentos pessoais em fatores positivos para o próprio destino. O violeta é a cor do espectro mais próxima do equilíbrio psíquico, emocional e espiritual em vigor no planeta neste momento. A predominância dessa cor na aura das pessoas é expressão de poderes mediúnicos, capacidade de compreensão, saúde e mentes equilibradas.Quando surge nos animais, a aura violeta significa satisfação e fidelidade. Nas plantas, é sinal de uma força positiva tanto que as violetas e as flores de lótus que simbolizam a espiritualidade, costumam ter a aura dessa cor. Nos objetos, indica uma forte concentração energética, e, geralmente se manifesta depois que o objeto foi tocado por uma pessoa espiritualmente evoluída.
Prateada:
Um curandeiro, médium natural. Utiliza energia para transformar luz em raios que curam, seu maior desafio é aprender a se conhecer e descobrir seus dons especiais.
Anil Índigo:
A aguda perspicácia intelectual é um dos aspectos mais gratificantes e mais exasperantes, é brilhante e inquiridor, com uma inteligência que vai muito além dos conceitos mais tradicionais.
Cristal:
 A predominância dessa cor (uma espécie de névoa brilhante e branca) na aura das pessoas indica dons telepáticos, poder de cura, para normalidade, pureza e bondade. Costuma se manifestar com maior força nas mãos de massagistas e outras pessoas que lidam com cura. Nos animais é sinal de capacidade de adaptação. Nas plantas, a aura cristal tanto pode significar positividade quanto falta de vigor e vulnerabilidade. E, nos objetos, a aura cristal, expressa o poder de receber e emanar energias.
 
Banho de água e sal
O banho de água e sal é excelente para você expandir sua aura.
Primeiramente, tome o seu banho de costume, deixando ao lado um balde com água morna e sal. De cócoras, jogue a água do balde do pescoço para baixo com ambas as mãos. Não é necessário jogar na cabeça, pois nada de ruim permanece nesse ponto do nosso corpo. Na moleira localiza-se o chackra (ponto energético) do astral.
 
Mentalize uma oração.
Oração para Limpeza Espiritual e Energética
Eu, (  ), solicito à Deus encarecidamente e humildemente,
que todos os trabalhos espirituais energéticos negativos, pensamentos sentimentos negativos, energias negativos, invejas, feitiços, encantamentos, magias, invocações ou conjurações   feitos para minha pessoa (N.C.), sejam à partir
deste instante, desmagnetizados,desfeitos, destruídos, desmaterializados e desenergizados, em todos os tempos, todos os espaços e em todas as dimensões, se for da vontade de Deus.

Que Assim Seja!
Assim Será!
Assim É!
DEUS, LUZ, DEUS, LUZ, DEUS!
 (Nome completo da pessoa que esta fazendo a oração)
Também não há necessidade de esfregar a água e o sal, já que o banho não atua no corpo físico, mas sim no corpo astral. Jogue a água com sal sobre o seu corpo, concentrando uma atenção toda especial em seu chackra solar, localizado no umbigo, por onde é absorvida maior quantidade de energia negativa. Após jogar a água em seu corpo, permaneça mais um pouco de cócoras. Depois, abra a torneira do chuveiro e tome um segundo banho normalmente. Para se enxugar, dê batidinhas de leve com a toalha e se vista preferencialmente com roupas claras.

domingo, 24 de julho de 2011

DESENVOLVENDO A CLARIVIDÊNCIA



Possuir a faculdade da visão espiritual é desejo de muitos e, sob certas condições, ela pode ser desenvolvida.
A clarividência é a capacidade de ver com clareza. É a visão da própria alma, que percebe a realidade num nível mais amplo e elevado. Seu surgimento é consequência natural do desenvolvimento espiritual humano na medida em que a pessoa devota-se ao crescimento interior e aproxima-se de estados de consciência sutis.
Há uma grande diferença entre clarividência e vidência. O vidente capta lampejos e impressões do que se passa no plano astral, sejam fatos que estão acontecendo nesse plano, formas-pensamentos de outros seres, projeções criadas pelas forças negativas para atrapalhá-lo em seu desenvolvimento espiritual ou, muitas vezes, os próprios desejos na forma de alegorias, às vezes, de difícil compreensão para ele mesmo. A vidência é muito sujeita a distorções. É um sentido extrafísico que não conduz, necessariamente, a uma compreensão elevada da realidade.
Muitas vezes, a pessoa que tem o dom vidência não o percebe por um longo tempo e normalmente o tem desde pequena. Isso faz com que ela acredite que a visão astral corresponde à realidade. Por tê-la como algo natural, ela não se esforça para melhorar seu desempenho ou compreender como a vidência se processa para melhor interpretá-la. Somente o trabalho interior e o desenvolvimento espiritual podem conduzir à percepção da realidade.
Abertura da visão astral - Descrevemos um exercício que poderá auxiliá-lo no desenvolvimento de habilidades que propiciem a abertura da visão astral - a qual pode ser direcionada, posteriormente, para a clarividência.
Escolha um local e horário (de preferência, à noite) em que possa ficar sozinho e não ser perturbado. Durante 15 minutos, você vai olhar para a sua imagem refletida no espelho. Ele não precisa ser muito grande - apenas o suficiente para refletir o rosto - e estar a 70 ou 80 cm. de distância de você. Cuide para que o rosto seja completamente iluminado, sem a presença de sombras. Se você usa óculos, não é preciso tirá-los.
Relaxe o máximo possível e inicie o exercício apelando ao seu Eu Superior algo como "despojo-me do meu ego e entrego-me à Sua sabedoria para que conduza todas as minhas ações e a minha vidência". Repita o apelo mentalmente no mínimo sete vezes para obter o efeito do despertamento da sua visão. Concentre toda sua atenção na imagem refletida no espelho, como se quisesse penetrá-la. Sua concentração deve ser tão intensa que você não possa evitar de murmurar "minha alma, quero vê-la".
Sua introdução no mundo astral por meio da vidência pode surgir de diversas formas: tornar-se intermitentemente consciente das cores brilhantes da aura humana; ver rostos, paisagens ou nuvens coloridas diante dos olhos, no escuro, antes de dormir ou em estados expandidos de consciência; sentir uma presença invisível ao seu lado; ver ou ouvir coisas para as quais os outros são cegos e surdos; ter recordações cada vez mais nítidas das experiências vividas em outros planos durante o sono.
Quando uma pessoa está começando a sensibilizar-se para a vidência astral, poderá ocasionalmente ter sensações de medo. Isso advém da hostilidade de forças vibracionais que agem no astral e, em parte, dos muitos elementais artificiais (formas-pensamento negativas) nutridos pela mente humana. Por isso, ela deve sempre solicitar a ajuda de seu Mentor ou Guia Espiritual, quando empreender uma atividade de vidência.
Preparando a clarividência- É necessário ter prática para liberar-se da distorção produzida por seus próprios pontos de vista, de forma a poder observar claramente os episódios etéricos. Mesmo aqueles que vêem nitidamente no astral, ficam às vezes confusos e estonteados para compreender ou recordar as visões e poucos conseguem traduzir suas lembranças para a linguagem do plano físico.
Portanto, o melhor é trabalhar para expandir sua capacidade perceptiva de forma espiritualmente elevada, procurando movimentar as energias de seus chacras frontal e laríngeo até o cardíaco para obter a qualidade da clarividência.
Um método seguro para desenvolver a clarividência é a meditação. Por meio dela, pode-se adquirir extrema sensitividade, equilíbrio, sanidade e saúde. A prática de determinados tipos de meditação constrói níveis superiores de matéria nos corpos sutis.
Para obter êxito na meditação é fundamental a correta colocação dos olhos, que devem ficar voltados para dentro (como nas pessoas vesgas) e para cima. Nessa situação, estamos focalizando um espaço interior da aura, localizado à frente da testa, chamado de papila ou ponto cego. Trata-se de região não em que não há células sensíveis à luz, apenas terminais nervosos. Quando os olhos são virados para dentro e para cima, as papilas emitem suas energias diretamente através do Chacra Frontal, um exercício muito profundo para agilizar a visão etérica.
Para manter os olhos nessa posição é preciso exercitar os músculos que o movimentam. Durante uma semana, duas vezes por dia, gire os olhos 10 vezes em sentido horário e 10 em sentido anti-horário; em seguida, fixe-os por alguns instantes nos extremos das órbitas (cima, baixo e lados).
Preparo espiritual - Como frisamos anteriormente, a captação da realidade sutil sem o devido desenvolvimento espiritual traz uma série de mal-entendidos. Para torna-se um bom clarividente, é preciso fazer ainda mais do que os exercícios que nós descrevemos. Rudolf Steiner, na obra O Conhecimento dos Mundos Superiores, fala das qualidades que o homem terá de adquirir a fim de ascender ao conhecimento superior: discernimento entre realidade e aparência, verdade e mera opinião; correta avaliação do verdadeiro em relação à aparência; controle dos pensamentos e das ações, perseverança, tolerância, fé e equilíbrio; e amor à liberdade interior.
Nessa prática, o desenvolvimento espiritual caminhará de maneira que a clarividência se mostre limpa, objetiva e sem as distorções provenientes de nosso interior ainda desalinhado.
Perguntamos a Anfaten, nosso mentor de Andrômeda, como ele vê a questão da visão espiritual e como ela pode ser desenvolvida.
Vialuz - É correto comparar a sensibilidade instintiva dos animais com o sentido humano da vidência ou percepção da realidade no plano astral?
Anfaten: Os animais possuem, em graduações diversas, a percepção muito aguçada a níveis não físicos, porém isso se realiza somente no campo da percepção. Possuem, dependendo da espécie, capacidades auditivas e visuais tanto quanto olfativas muito aguçadas, portanto percebem a aproximação de seres da quarta dimensão, mas a níveis bastante inferiores que os dos humanos pois funcionam os seus sentidos em patamares somente vibracionais. Os animais percebem algo de anormal no campo sensório, mas não possuem nenhum sentido de visão propriamente dita suprafísica, ou seja, além da visão física.
A visão extra-física humana se processa em todo o campo astral tomado pelo corpo espiritual. É como se todo o corpo espiritual se transformasse em um grande olho acima, embaixo, na frente, nas costas, dos lados, como se fosse uma grande câmera móvel de 360 graus. A visão é total da área ocupada pelo espirito. Na audição, o processo é semelhante, como um grande ouvido voltado para todas as direções. Quanto ao campo mental, é um pouco mais delicado, pois depende diretamente do nível evolucional daquele ser. As capacidades suprafísicas no mundo sutil estão sempre ligadas a condições evolutivas daquele espírito em especial. Por isso, o campo da visão astral está ligado diretamente ao espírito. Dessa forma, os animais ficam na percepção vibratória e não espiritual.
A vidência é um assunto muito complicado e bastante profundo, pois está ligada diretamente à capacidade evolutiva de cada ser, isto em termos da visão espiritual volitiva, isto é, que depende da vontade da própria pessoa. Não falamos de vidência como pequenos flashes, tratamos aqui do domínio completo da visão no mundo sutil.
Vialuz - A manifestação dessa faculdade está associada à condição encarnatória dos seres?
Anfaten - Todos os seres do planeta Terra trouxeram em seu bojo a possibilidade da vidência astral, porque, em primeiro lugar, foram formados no campo espiritual e, posteriormente, na matéria. Como a vidência está situada no espírito e não no físico, todos possuem essa capacidade primordial básica, porém o caminho escolhido por cada ser humano depende da própria vontade e de seu livre-arbítrio.
Desce o espírito, adensando-se na matéria, através dos mundos mais densos: minerais, vegetais e animais. A partir do momento em que a essência espiritual se individualiza, surge o livre-arbítrio. Então, a escolha de um caminho evolutivo mais rápido e mais claro proporciona uma colaboração mais presente da parte espiritual do ser. Alguns escolhem os campos mais baixos da matéria densa e, trazendo com isso grandes perturbações em sua área emocional, distanciam-se de sua contraparte espiritual. Por isso, perdem o melhor: permanece escondida a sua capacidade de vidência astral.
Para determinados seres, no entanto, como programação evolutiva, como ajuda, permite o plano espiritual que venham com parte da vidência astral desvelada. Para esses, o sentido de ver no mundo suprafísico é uma chamada ao mundo espiritual, para que se lembrem que são muito mais do que a matéria física.
Vialuz - Como vê as diferenças entre clarividência e visão astral?
Anfaten - Uma é complementar à outra. A vidência é como acender e apagar a luz de uma sala. A visão é rápida e também pode ser de formas-pensamentos. Como acende e apaga a luz do mundo espiritual muito rapidamente, não tem tempo de perceber o que é a realidade do mundo sutil ou o que é uma captação de pensamentos dos diversos seres. A clarividência, no entanto, é o sentido da vidência muito ampliado. É acender a luz e contemplar todos os detalhes da sala, os móveis, a janela, a disposição das portas, o chão, as paredes, o teto e também as pessoas que estão na sala. Como no mundo sutil, em suas diversas dimensões, não existe o tempo-espaço como vocês o entendem,e o clarividente pode perceber o passado, o presente e o futuro, tudo junto.
O processo de vidência e clarividência é similar. A vidência é muito rápida e, na maioria das vezes, não depende da vontade da pessoa. Na clarividência, porém, o sentido de ver é muito mais amplo, muito mais longo e está bastante ligado com a vontade do ser. A clarividência também é acompanhada de uma ampliação dos sentidos auditivos e mentais. Há uma melhor coordenação dos sentidos da visão, da audição e da mentalização. Já na vidência, a ampliação da capacidade desses sentidos é quase inexistente.
Vialuz - Poderia nos indicar exercícis para a desenvolver a vidência e a clarividência?
Anfaten - Você terá dois estágios: o primeiro da vidência e depois o da clarividência. Raros são os seres que já passam direto para a clarividência, é como se ela precisasse ser aprendida. Vamos iniciar pela vidência. Os exercícios de relaxamento e meditação irão ajudar bastante para a tranqüilidade e harmonia interiores exigidas para essa capacidade sensitiva.
Coloque-se em estado de relaxamento e escolha uma cena sobre a qual trabalhar: pode ser um trecho da sala onde se encontra, uma foto, um desenho ou o que desejar, inclusive um objeto. Então, relaxe e ponha-se em harmonia com o seu interior. Em seguida abra lentamente os olhos, contemple a cena por um ou dois segundos, feche os olhos e remonte mentalmente tudo o que viu, com a maior riqueza de detalhes possível. Em seguida, abra os olhos e compare os resultados.Vai perceber que, no início, esqueceu ou não notou uma série de pormenores. Conforme evolui nos exercícios, você vai, a cada dia, percebendo mais e mais detalhes. Lembro que deve usar sempre imagens ou objetos diversos, porque estará treinando a sua capacidade mental ao perceber cenas ou flashes do astral.
Agora, a clarividência. Para esse treinamento, deve já estar o ser com a vidência aflorada, pois começará a trabalhar com os quadros recebidos do astral. Ao perceber um determinado quadro advindo do mundo supra-físico, pare imediatamente aquela imagem em sua mente. Se for um quadro seqüencial, deve escolher o que mais impressionou. Pare a fita naquele exato ponto e inicie a expansão, principalmente da área de seu chacra frontal; cresça os ouvidos como duas grandes cornetas e deixe-os assim. Então, comece a olhar o quadro, abrindo totalmente o seu chacra frontal e, com os ouvidos, "ouça-o" cuidadosamente.
Então, comece a movimentar a sua câmera para cima, para baixo, para trás, para frente, aumente e amplie esse quadro transformando-o em uma tela de cinemascope. O processo é como pegar a tela da TV e ampliar de tal forma que se torne uma tela de cinema. Apenas nesse caso, é a mesma cena em ponto grande. Mas na clarividência, ao ampliar o quadro, vocês irão encontrar campos muito maiores do que somente a figura em estudo. Você irá ampliar completamente as circunstâncias que rodeiam a cena. Dessa forma, irá começar a ampliar a sua sensibilidade.